Uma empresa fornecedora de soluções antivírus distribuída no Brasil, divulgou seu relatório das ameaças de 2017 com 8 milhões, 400 mil e 58 novos tipos de malware descoberto, 14% a mais que a previsão feita no início do ano passado, para o período de 12 meses, que era de 7.4 milhões.

 

Segundo o presidente executivo da empresa, avalia que a situação é altamente preocupante, uma vez que os criminosos cibernéticos estão cada vez mais especializados em criar códigos maliciosos capazes de enganar os usuários de computador. As tecnologias de proteção estão cada vez mais tendo que se adiantar para evitar o roubo de dados pessoais e bancários das pessoas.

Laboratório de segurança digital

“Espécies diversas de worms e cavalos de Tróia existem em grande quantidade na Internet, mas perigosamente, o número de tipos de malware está crescendo de forma constante. O que nos chama a atenção é que a previsão feita no início do ano passado já era pessimista. Agora temos mais de 8.4 milhões de novas ameaças circulando na Internet”, afirma o especialista.

De acordo com o especialista, a ameaça mais evidente e séria ainda é o ransomware. “Isso não mudará em 2018, mas, mesmo assim está claro que os usuários devem se proteger contra ele e que os programas potencialmente indesejados (PUPs) estão em forte crescimento e sobem para a parte de cima da lista de ameaças mais perigosas a serem combatidas”, afirma ele.

Fonte: economiasc