Cerca de 500 milhões de pessoas tiveram seus dados acessados ilegalmente após se hospedarem em hotéis da rede Marriott, entre os quais W, Sheraton e Westin.

A empresa hoteleira informou que hackers conseguiram “acesso não autorizado” ao sistema de reservas Starwood desde 2014, mas que o problema foi identificado apenas na semana passada. Os dados foram copiados e criptografados. A violação afetou clientes que fizeram reservas até 10 de setembro.

Segundo o Marriott, 327 milhões de pessoas tiveram expostos seus nomes, números de telefone, endereços de e-mail, números de passaporte, data de nascimento e informações de chegada e partida. Outro grupo expressivo teve seus números de cartões de crédito e respectivas datas de vencimento potencialmente comprometidos.

A rede Marriott, que relatou este incidente à polícia e continua a apoiar as investigações, destacou que as informações do cartão de crédito dos clientes estavam criptografadas, mas que era possível que os hackers também tivessem as informações necessárias para decifrá-las.

As vastas reservas de dados pessoais identificáveis disponíveis na Dark Web continuam a crescer a taxas históricas e os fraudadores têm muitos recursos para roubar identidades ou criar novas identidades sintéticas usando uma combinação de informações reais e inventadas, ou informações inteiramente fictícias. Por exemplo: os dados pessoais obtidos em uma violação poderiam ser cruzados com dados obtidos em outra violação e com outras violações amplamente divulgadas.

“A violação da Marriott apenas torna essa tarefa muito mais fácil e com maior probabilidade de sucesso. Ter os bancos de dados no mesmo lugar torna esse processo ainda mais simples para os malfeitores”, alerta Diretor de Regulamentação e Padrões Globais da OneSpan, líder global em segurança de identidade digital, transações seguras e produtividade para os negócios.

Para o executivo, “os ataques cibernéticos, como o da Marriott, continuarão e é imperativo que as organizações dos setores público e privado não apenas implantem as mais recentes tecnologias de detecção de fraude baseadas em autenticação e risco em suas organizações, mas também garantam que todos os parceiros tenham medidas de segurança cibernética”, conclui Michael Magrath.

Fonte: CryptoID.

Entre em contato conosco